VOCÊ É FELIZ?

Por Elaine Trannin

Na minha atuação como Coach, entro em contato diariamente com uma série de buscas por uma vida com mais qualidade, realização, felicidade, amor, paz, amizade, tranquilidade, prazer, lazer, companheirismo e mais uma extensa lista de desejos. É claro que investigando cada busca de forma mais aprofundada, podemos perceber que a lista irá se resumir em poucos itens e no final das contas, queremos mesmo é ser felizes e nos sentirmos de bem com a vida e com as pessoas a nossa volta.

Por muitos anos, a Psicologia teve como principal missão aliviar o sofrimento das pessoas, minimizando os sintomas negativos, a ansiedade, a raiva, a tristeza, a angústia, a depressão. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a depressão é a doença mais onerosa do mundo e os tratamentos indicados são os medicamentos e a psicoterapia. Maslow reconheceu que a ciência da Psicologia aprendeu muito sobre as deficiências do homem, suas doenças e perturbações, mas muito pouco sobre suas virtudes e aspirações.

Temos que reconhecer que aliviar o sofrimento de uma pessoa já é com certeza, um trabalho louvável e com grande impacto na vida de todos que recorrem a assistência de um profissional capacitado, mas também sabemos que há muito mais na complexidade de sermos humanos.

Indo além desse ponto e inserindo o conceito da Psicologia Positiva, de Martim Seligman, a missão se amplia englobando o estudo dos aspectos saudáveis do ser, buscando proporcionar bem-estar aos indivíduos. Segundo um cálculo médio feito com um grande número de pessoas, o estado de ânimo que uma pessoa está determina mais de 70% da quantidade de satisfação com a vida que ela relata, ao passo que o julgamento que ela faz de como está a sua vida nesse momento determina menos de 30%. Nesse contexto, a saúde psicológica é muito mais que ausência de sintomas.

Para entender o bem-estar de uma pessoa, Seligman determinou 5 variáveis que podem ser avaliadas para entender o estado que uma pessoa se encontra:

  1. Emoção positiva

A emoção positiva se revela no que pensamos e no que sentimos. Envolve a capacidade de celebrar os bons acontecimentos, comemorando cada conquista, cada situação feliz por mais simples que seja. Envolve também a habilidade de encarar as situações difíceis com um viés positivo, entendendo que tudo faz parte do nosso amadurecimento e crescimento como pessoa. Olharmos uma situação negativa com um olhar e comportamento negativos não transforma a situação, somente nos afeta emocionalmente. A dor é inevitável e temos que permitir que se manifeste e assim podemos acolher essa dor. O sofrimento é opcional. A emoção positiva se manifesta por meio de uma vida agradável.

  1. Engajamento

“Você se perdeu no tempo fazendo alguma coisa? Ficou completamente absorvido com a tarefa ou com a pessoa que estava?”

Esses são sintomas de engajamento e só podem ser percebidos por nós depois da situação ter ocorrido e dificilmente, no momento que está ocorrendo. Nos engajamos em atividades que nos conduzem ao estado de fluir (flow), segundo a teoria do Psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi, um estado de consciência em que a mente e o corpo encontram-se em perfeita harmonia. Disposição, concentração, motivação e envolvimento acontecem naturalmente quando estamos engajados em algo.

  1. Sentido

Esse componente do bem-estar está relacionado a algo maior do que nós, a algo significativo. É quando nos sentimos pertencentes e servimos a algo realmente além de nós mesmos e aquilo faz todo o sentido no momento. Importante considerar que o sentido que damos as questões da nossa vida pode ir mudando com o tempo. Igualmente importante, buscamos ver o sentido das coisas que fazemos por si só e não para atingir alguma outra coisa.

  1. Realização

O quarto elemento foca na realização, na vitória, no sucesso, na conquista. Essa busca não é necessariamente por prazer ou por fazer sentido. É a realização pela realização, a conquista pela conquista, o domínio pelo domínio. Um exemplo disso poderia ser um jogador amador que joga como atividade de fim de semana, mas que só fica feliz com a vitória, não somente com o jogo em si. Podemos também considerar o acúmulo de riqueza pela riqueza, tal como Dale Carnegie e John Rockfeller que passaram a primeira metade de suas vidas construindo suas fortunas e a segunda metade doando boa parte dessas fortunas à ciência, à medicina, à cultura e à educação. É bom entender que a Psicologia Positiva não está prescrevendo esses fatores como receita para o bem-estar, mas sim está descrevendo como enxerga o bem-estar por meio do comportamento das pessoas.

  1. Relacionamentos positivos

“Existe alguém em sua vida com quem você se sente suficientemente à vontade para telefonar as 4:00 da manhã a fim de falar de seus problemas?” Se a sua resposta for “sim”, provavelmente você viverá mais que uma pessoa cuja resposta seja “não”. Essa conclusão foi alcançada por George Vaillant, um Psiquiatra de Harvard. Para ele, o principal poder que alguém pode ter é a capacidade de ser amado. A busca de relacionamentos é um quesito básico para o bem-estar humano.

Além desses 5 fatores, a teoria cita mais a autoestima, o otimismo, a resiliência, a vitalidade e a autodeterminação como características adicionais e estabelece que se tivermos ao menos 3 desses, já estamos bem estruturados para o bem-estar.

E você? Como se sente?

Te escuto!

Elaine Trannin
Master Coach
coach@elainetrannin.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *