O QUE MEU SISTEMA DE CRENÇA POSSIBILITA?

Por Marcela Lempé

Esses últimos dias o que tem me acompanhado é a reflexão sobre meu sistema de crenças.

Aceitar ou não determinado trabalho? Ganhar dinheiro dessa ou de outra forma? Viver com mais ou com menos? Focar em diversos produtos ou alguns produtos?

Tenho prestado atenção nas verdades que me conto, nas crenças que tem embasado minhas ações e decisões.

Não é possível viver sem crenças.

As crenças estão instauradas em uma cultura, em uma família, em uma relação, em uma história, em uma vida.

Nós, como indivíduos, vamos criando essas crenças a partir das histórias que vamos ouvindo e experienciando desde a nossa infância.

Às vezes a crença que fica instaurada é aquela que repete o sistema no qual pertencemos e, outras vezes, as crenças que ficam são aquelas que se opõem ao sistema da qual fazemos parte.

Não estou dizendo que isso é ruim, até porque precisamos delas para agir no dia a dia, para tomar uma decisão, para criar opiniões, para julgar se devemos ou não agir de determinada forma, para criar e buscar objetivos…

As crenças são formadas por nossos valores, por aquilo que é muito importante para nós. São nossas verdades.

O problema está quando elas se tornam limitantes e aprisionantes. Quando elas não mais possibilitam experiências que nos satisfazem.

A imagem que me vem é como se estivesse atrás de grades, mas que ao redor não há paredes, a cela não está fechada, mas não percebo e fico ali presa, segurando aquelas grades.

O que me impede de soltar e apenas dar um passo ao lado onde não há grades?

O que me impede de explorar diversos campos e possibilidades e criar novas realidades para mim?

O que tenho aprendido é que são as experiências que energizam as nossas crenças e para mudar determinada crença, expandi-la, é necessário criar novos tipos de experiências.

Não é fácil mudá-las, porque muitas vezes elas estão arraigadas em nossa identidade, fazendo até mesmo com que a gente se confunda, entendendo que somos aquilo, mas elas são apenas ideias, formas de ver e pensar o mundo, não é você.

Muitas vezes leva tempo para novas crenças serem criadas ou expandidas.

O processo evolutivo não é linear, na verdade ele é muito complexo, muitas vezes cheio de curvas. 

Gosto de imaginá-lo como uma espiral, que estamos sempre subindo e expandindo. 

Vejo essa espiral como uma estrada ao redor de uma montanha. Quando estamos subindo, as mudanças na paisagem parecem sutis, às vezes imperceptíveis, outras vezes podemos ter a impressão de estarmos passando pelo mesmo local, dando um passo que parece nos levar a antigos caminhos, mas na verdade, talvez possamos estar apenas subindo mais uma curva da espiral, da estrada, não é o mesmo lugar.

Possibilidades, possibilidades, possibilidades…

Há sempre novas possibilidades.

Se tem algo que esteja te aprisionando, talvez possa ser interessante se perguntar, por que tenho feito essa escolha? Se eu tivesse outro sistema de crença, quais novas escolhas seriam possíveis? Se faço essas escolhas, quais necessidades mais profundas estou procurando atender?

Às vezes, apenas ter consciência, já é o grande passo necessário.

Ter consciência de que é sempre uma escolha. De que há novas possibilidades. Mas que essas escolhas devem estar a serviço de atender as minhas necessidades mais profundas.

Marcela Lempé : Psicóloga, Coach e Facilitadora de Processos de Desenvolvimento Humano e Organizacional. email : marcela@essenciadesenvolvimento.com.br
www.essenciadesenvolvimento.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *