ELE BEM QUE TENTOU

Por Kau Mascarenhas

Tentou acordar cedo mas não conseguiu porque o despertador não tocou. Faltou energia durante a madrugada. “Maldita companhia elétrica”! Ficou na cama mais do que deveria e isso bagunçou todo o planejamento do seu dia.

 

Tentou se alimentar bem, fazer um café da manhã reforçado, mas diante do tempo escasso pegou somente um iogurte e um biscoito creamcracker. Fez o breakfast no elevador enquanto abotoava a camisa. “Maldita vizinha do 904 que fica me olhando esquisito só porque estou comendo e arrumando a roupa no elevador”.

 

Tentou compensar o tempo perdido driblando o trânsito que estava infernal, como sempre, mas acabou se atrasando para uma reunião importante. “Maldito prefeito que não tem programas efetivos para resolver essa bagunça!”

 

Tentou avisar sobre o atraso ainda do trânsito, mas o celular estava sem sinal. “Maldita operadora que é a campeã em queixas na ANATEL!”

 

Tentou, ao chegar, pedir desculpas pelo atraso mas como os convidados eram muito rígidos e inflexíveis, pela cara que fizeram, eles não aceitaram. “Malditos clientes! Acaso são ingleses? Por que têm tanta obsessão por pontualidade?” Tentou expor suas ideias da melhor maneira aos presentes mas o pessoal da gráfica não entregou a tempo o relatório que deveria estar com eles desde o dia anterior, e isso comprometeu a apresentação. “Malditos sejam esses incompetentes! Vou mudar de gráfica assim que possível!”

 

Tentou almoçar com a nova namorada mas o chefe o prendeu no escritório numa conversa interminável sobre um tal novo projeto. Acabou não ligando com antecedência para ela pois pensou que a conversa com o chefe não levaria mais de 20 minutos. “Maldito Dr. Peixoto! Como pode ser tão prolixo? Explicou meticulosamente, durante uma hora e meia, esse novo trabalho, bem na hora do almoço?”

 

Tentou avisá-la sobre a mudança de planos, mas só caía na caixa postal. “Maldita operadora dela também!”

 

Tentou explicar-se para ela após receber as 18 mensagens desaforadas que chegaram de uma só vez, mas não teve muito resultado. “Maldita namorada! Como pode ser assim tão nervosa? Não é nada compreensiva…”Tentou ir às 19:00h ver a estreia do balé da filhinha mas o trânsito estava caótico de novo e acabou chegando às 21:00. A garota e a ex-esposa saíam descendo pelas escadas do teatro, de mãos dadas e caras de poucos amigos. “Maldito trânsito e maldito prefeito, de novo!”

 

Tentou pedir desculpas dizendo que no final de semana sairia com a menina, iriam ao cinema e etc e tal, mas o olhar silencioso da garota, lacrimoso, mostrou que nada poderia compensar aquela ausência do pai em seu show da escola de dança. “Maldita ex-mulher! Deve estar fazendo a cabeça da menina para que não goste de mim!”

 

Tentou ir à academia treinar e suar um pouco, liberar-se do stress. Mas após um dia desses, horroroso, o melhor seria tomar uma chuveirada e cair na cama. “Maldito dia!”

 

Tentou relaxar no banho mas a água estava fria. Tudo por culpa do eletricista incompetente que não veio trocar a fiação na semana passada conforme combinado. “Malditos sejam esses profissionais que furam com a gente!”Tentou dormir cedo, mas não conseguiu por causa da preocupação acerca das responsabilidades com o novo projeto que teria que assumir a partir do dia seguinte com poucos recursos e equipe pequena. “Maldita seja a situação econômica do pais que não permite à empresa a contratação de mais profissionais para me ajudar nesse novo empreendimento!” E assim ele vai construindo seus dias. Enfim, durante toda a vida, ele está tentando ser feliz. Mas como isso é possível quando se tem tantos “malditos” ao redor?

 

Quando alguém não considera que as escolhas de contato com o mundo são suas, acaba vivendo com muitas explicações e pouquíssimas construções.

 

Quem se coloca fora do problema, igualmente não se percebe capaz de promover a solução, e pode receber o diagnóstico de uma doença conhecida por TCR (Terceirização de Culpas e Responsabilidades).Tentar nunca será fazer, bem como lamentar e amaldiçoar nunca trará o tempo perdido de volta.

 

Se você, mesmo que em parte, se identificou com o personagem descrito, que tal começar a pensar sobre como fazer sua vida acontecer de uma maneira diferente?

 

Lembre-se: acomodados encontram desculpas, e realizadores encontram caminhos.

 


Kau Mascarenhas é palestrante, coach, escritor, autor do livro “Mudando para Melhor”, pela editora Best Seller, e do curso digital PNLPlus. É sócio-diretor do Pro-Ser Instituto. Leva seu trabalho sob a forma de palestras, seminários e cursos a empresas de todo o país. Publica muitos conteúdos valiosos sobre PNL, Coaching, Mitologia e Filosofia em seu canal do Youtube, no Facebook e no Instagram.
Conheça mais em: www.kaumascarenhas.com.br 
Kau Mascarenhas | Instituto PRO-SER  www.proserinstituto.com.br
www.kaumascarenhas.blogspot.com | www.mudandoparamelhor.ning.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *