APRENDIZADO É EXPERIÊNCIA

Por Daniele Gebin

Parafraseando Albert Einstein: “Aprendizado é experiência, todo o resto é informação”.

Mesmo com os avanços, recursos e investimento no ensino acadêmico e corporativo, seja ele presencial ou a distância, criar experiências inesquecíveis para os alunos sedentos de conhecimento geralmente é um grande desafio.

A etimologia da palavra experiência que tem origem no latim, lança alguns raios de luz acerca do propósito do ensino-aprendizado.

A palavra experientĭa é formada por três partes, que são: “ex” (fora), “peri” (perímetro, limite) e “entia” (ação de conhecer ou aprender).

Eis então, que a experiência nasce do processo de conhecimento ou estímulo que vem de fora, somado ao encontro da ação de compreensão interna de cada indivíduo.

A combinação de conhecimentos externos e o entendimento interno, é o que rompe o limite do aprendizado gerando novas experiências.

Quando falamos do ensino para adultos, cada indivíduo dentro desse “processo” tem as experiências que lhe convém (vem com ele), nesse campo entra em jogo a Andragogia.

Andragogia tem um papel importante para o ensino-aprendizado, pois essa abordagem leva em conta as experiências que o aluno possui, além de empregar como forma de estímulo a sensibilização para o aprendizado.

No campo da neurociência o sistema límbico é o responsável por emoções, comportamentos sociais e também é o sistema capaz de registrar nossas memórias.

Nosso sistema límbico é acionado com maior facilidade por lembranças de aulas e professores que promoveram experiências, atividades únicas e intensas tornando-as inesquecíveis. Não é pôr a caso que as principais lições de vida que trazemos, são acompanhadas sob forte impacto emocional.

Eu tive o privilégio em minha trajetória de ter professores que despertaram as melhores experiências que continuam promovendo memórias que contribuíram para fixar aprendizados que levo para minha vida pessoal e profissional.

Para transpor algumas barreiras do ensino-aprendizado, não basta só fazer pensar, o professor necessita produzir experiências ricas. Eu que atuo há dez anos em treinamentos empresariais e iniciei a carreira acadêmica há pouco tempo, tenho a ousadia de compartilhar 3 passos para gerar aulas com experiências transformadoras.

Passo 1 – Acione o botão da participação: Crie uma atmosfera que permita a participação de todos. Perguntas, jogos, quiz, debates, fóruns etc. Interação é a palavra.

Passo 2 – Acione os botões do Autodesenvolvimento triádico = Pensar, Sentir e Agir: Capacite a mente, estimule sentimentos, sensibilize e deixe as emoções fluir, crie reflexões para desenvolver comportamentos e atitudes. Reunindo essa tríade em uma aula, é certo assim como 2 e 2 são…. Sua aula será magnífica, memorável.

Passo 3 – Acione os botões sensoriais – Auditivo, Visual e Cinestésico: Utilize todos os recursos possíveis como: música, dinâmicas, filmes, artigos, storytelling e é claro uma excelente oratória, bem como o uso das expressões faciais, corporais etc. Lembre-se que cada indivíduo em seu processo de aprendizado gera novas experiências com aquilo que lhe convém.

Autor: Daniele Gebin
www.aldaficonsultoria.com
Treinamentos de alto impacto e Educação Corporativa, baseados em três pilares: capacitação, bem-estar e resultado!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *